quarta-feira, 31 de março de 2010

A morte de Ofélia


Ofélia está doente e vai morrer.
Vento veloz se vai por brisa fria…
Mal sabia ela que já não via,
A luz esbelta do amanhecer!

Assim se queda na noite sombria,
Sendo pois de Amor seu padecer,
Feliz mulher que pode falecer,
A febre que seus olhos já feria…

No lamento longo que a devora,
Enfim uma tocante compaixão
Da morte que assim a vê tão bela!

Não se faz rogada e não demora,
Desfere o rude golpe com paixão,
Assoma a prima luz pela janela!

4 comentários:

LMDP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

Belíssimo soneto, na forma e conteúdo, parabéns!
Beijinhos. Tua mummy.

Leonam Souza disse...

Elucubrações sobre a transição, a passagem que não sabemos bem como é, mas a Ofélia já sabe. Parabéns poetisa laboriosa e criativa. Retribuo tua sempre bem-vinda presença lá no nosso espaço. Um forte e fraternal abraço do Leonam.

Florentino disse...

que bom estar aqui esto ficando,.,., boa semana pra ti

Seguidores