sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Alma de vidro partido


A tua alma de vidro partido
feriu de morte o meu coração!
Agora arrasta-se tão dorido
sem vida, sem força e sem razão...

Que posso dizer do Amor fluente
que brotava dessa fonte segura?
E alegre corria livremente
Agora triste de tanta amargura.

Olho-me ao espelho e já não te vejo,
Corro por ti e não te alcanço,
Meus olhos perderam rumo e norte!

Por vezes, de febre, surge um lampejo
E por ele, cega, tento e avanço...
Oh dor tamanha! É perda e morte...

1 comentário:

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

MUITO TRISTE, MAS BONITO,PARABÉNS!
UM BEIJINHO DA TUA MUMMY.

Seguidores