terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Não entres...


Não entres tão depressa nessa noite escura
Onde não me confesso, nem te guardo
Onde a vida de longe me devora
Em idas e fugas sem retorno...

Não entres tão depressa nessa noite longa
Onde mergulho sem sofrer,
Onde me desfaço e desembaraço
Onde vivo e vou morrer...

Não entres tão depressa nessa noite triste
Em que as cores são de cinza
Em que o frio queima os ossos
Em que era bom desaparecer...

Não entres tão depressa e não tropesses
Que a estrada já vai tão longa
E ainda falta tanto para o amanhecer...

1 comentário:

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

NÃO É POR SER TUA MÃE, MAS ESTAVAS INSPIRADA QUANDO ESCREVESTE ISTO! GOSTEI MUITO, UM BEIJINHO. TUA MÃE.

Seguidores