quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Negro


Forjei a minha alma em Esparta
Em céu de ferro fundido
Limei meu coração com a faca
Com que matei um foragido
Não tenho realmente pena
De nada, nem de ninguém
Sou assassino a sangue frio
Exulto a lava de salém!

Criei um jogo inventado
Com regras só para mim
Todos à minha volta o perderam
Apenas eu o venci!

E agora solitário e pleno,
Riu de tudo a meu jeito
Beberei da taça o veneno
Preparado para o meu peito

1 comentário:

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

OPS E GLUPS!!!!!!!
SENTES COM MUITA INTENSIDADE, TENS A QUEM SAIR!
5*!!!!!!!!!!!!!!!!
JINHOS DA TUA MUMMY.

Seguidores