quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Terna noite



Andava algures
à solta na madrugada
Um pesadelo
de alma magoada,
mas ouviste e acudiste
de mansinho
E eu, que nem sei dizer
porque suspirava
só sei que acordei
e, senti-me amada...

Colada à vidraça do pensamento
recordo os meus sonhos pelo vento
da tua voz que os canta em segredo
das voltas em que volto do degredo...

Pingo a pingo
gota a gota
A chuva cai
bem de mansinho
ritmo singelo
miudinho
terna é a noite
que volta...

1 comentário:

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

LINDÍSSIMO, OBRIGADA! UM BEIJINHO DA TUA MUMMY.

Seguidores